Uma história de Pittsburgh, PA

Vivendo para servir

Assista o vídeo

explorar a história

A paixão pelo serviço e pela tecnologia de código aberto está ajudando um veterano a criar um mundo mais inclusivo.

Para Matt Landis, a definição de um veterano é mais do que "alguém que costumava ser um soldado". Agora trabalhando para dar a seu filho autista e aos outros a chance de viver de forma mais independente, Matt está provando que um veterano é alguém que nunca deixa de servir aos outros.

"As pessoas me agradecem pelo meu serviço", diz Matt, 39 anos, com óbvio desconforto. "Elas me chamam de herói e esse tipo de coisa."

Como muitos veteranos, o ex-piloto de Apache não se considera um herói. Ao voltar de duas missões no Iraque, Matt lutou contra o estresse pós-traumático, uma lesão cerebral por trauma e o mal-estar de não fazer mais parte de um objetivo maior. Ele perdeu seu propósito.

Quando soube de um evento de serviço no sábado com a The Mission Continues, um grupo de voluntários veteranos do exército, ele aproveitou a oportunidade para participar. “Sentia falta dos soldados, sabe? Não conheci outros militares ou veteranos desde que saí do serviço e fiquei meio isolado."

Esperando que o evento fosse uma cura para o isolamento, Matt descobriu que ele realmente atendia a uma necessidade mais profunda de estar em serviço. Quase da noite para o dia, sua definição de veterano se cristalizou: um veterano tem que servir. E essa conclusão deu a Matt uma nova missão na vida; uma missão que começou em casa.

Agora, Matt colabora com a organização The Mission Continues, um grupo de veteranos dedicado a ajudar as comunidades locais com projetos de serviços, como a melhoria das instalações esportivas com Mubarik Ismaeli (o "Treinador Mu") no bairro de Homewood, em Pittsburgh.

matt-landis-postwar-service

Agora, Matt colabora com a organização The Mission Continues, um grupo de veteranos dedicado a ajudar as comunidades locais com projetos de serviços, como a melhoria das instalações esportivas com Mubarik Ismaeli (o "Treinador Mu") no bairro de Homewood, em Pittsburgh.

Conheça Mubarik Ismaeli, o "Treinador Mu"

Trabalhar com voluntários veteranos renovou o compromisso de Matt com o serviço. Porém, seria preciso uma família, amigos e um mentor poderoso para revelar o quanto ele poderia fazer.

"Todos os meus três filhos têm uma deficiência", diz Matt. "Vejo que é uma pequena parte deles, mas que acaba tendo um grande papel na vida deles." Com três crianças no espectro do autismo, a família Landis enfrentou os desafios da deficiência em um mundo orientado para pessoas não deficientes. Mas como Tristan Landis, de 15 anos, é não verbal e tem dificuldades com tarefas que exigem independência, eles tiveram que se adaptar.

"Certamente, tivemos muitos contratempos, vários altos e baixos", diz a esposa de Matt, Tiff. Mas ela acredita que cada desafio os deixa mais próximos e que a perseverança da família tem sido algo maravilhoso para as crianças presenciarem. "Nós somos a nossa prioridade", diz ela. A adaptação é um valor da família Landis, assim como ajudar uns aos outros e seguir em frente juntos.

"Certamente, tivemos muitos contratempos, vários altos e baixos", diz a esposa de Matt, Tiff. Mas ela acredita que cada desafio os deixa mais próximos e que a perseverança da família tem sido algo maravilhoso para as crianças presenciarem. "Nós somos a nossa prioridade", diz ela. A adaptação é um valor da família Landis, assim como ajudar uns aos outros e seguir em frente juntos.

Quando saem, Matt e Tristan dão as mãos e evitam multidões e ruídos altos. Matt pode sentir o grau de angústia nos comportamentos do filho, em seus braços batendo e até mesmo no ritmo e na profundidade de sua respiração. Ele ajuda Tristan a passar por tudo isso. Ele o ajuda a escovar os dentes, a se vestir e comer.

Mas ele não consegue ter uma conversa com Tristan.

explore as maiores inspirações de Matt: sua família, seus amigos e seu mentor.

Penso nisso todos os dias: algum dia poderei conversar com meu filho? Por isso, me tornei engenheiro, porque não vou esperar que alguém resolva o problema.

Matt Landis

Matt e Tiff se apaixonaram em 4 de julho há quase 20 anos. Três crianças e duas missões depois, eles são mais que cônjuges, ou seja, eles trabalham juntos não somente para sustentar a família deles, mas também para contribuir com a comunidade de Pittsburgh.

Às vezes, sinto que voaria para longe, como se eu literalmente flutuasse para o espaço como um balão, se ela não estivesse segurando as cordas e me mantendo com os pés no chão.

Matt Landis

Matt e Tiff posam para uma foto na água.
Matt e a amiga Jess Burkman na cadeira de rodas MeBot no Human Engineering Research Lab (HERL).

Por meio da amizade da família Landis com Jess Burkman, eles a viram superar os desafios de sua deficiência, o que só inspira Matt a encontrar mais maneiras de pessoas com deficiências contribuírem com seu máximo.

Jess é engenheira mecânica, uma mulher muito brilhante. Adoro a filosofia dela: "Não sinta pena".

Matt Landis

Ouvir
Matt caminha com seu mentor e chefe, Dr. Rory Cooper, no HERL.
Dr. Rory Cooper no HERL.

O Dr. Rory Cooper é o chefe do Human Engineering Research Laboratories (HERL), local de trabalho de Matt e onde ele foi estagiário durante o curso de Engenharia. O Dr. Cooper orientou Matt, aconselhando-o sobre áreas de estudo que poderiam ajudar Tristan.

Ele é o Einstein… o Stephen Hawking do mundo da engenharia de reabilitação.

Matt Landis

Matt não podia esperar que alguém desenvolvesse tecnologias para ajudar pessoas com deficiências a ter uma vida mais independente, ele queria participar ativamente do desenvolvimento delas.

O Laboratório de Pesquisa em Engenharia Humana (HERL, na sigla em inglês) de Pittsburgh é o principal laboratório de tecnologia assistiva do país. Matt foi atraído quase instintivamente para a comunidade de engenheiros, estagiários, estudantes e pesquisadores liderados pelo Dr. Cooper, muitos dos quais vivem com deficiências ou têm experiência militar. O HERL se tornou o novo quartel de Matt, com um tipo muito especial de serviço: criar tecnologias assistivas inovadoras para o maior número possível de pessoas.

Observar Matt e a equipe trabalharem em uma peça de hardware é testemunhar uma busca constante para imaginar todo tipo de obstáculo que uma pessoa com deficiência pode enfrentar e fazê-lo desaparecer. Cadeiras de rodas que podem vencer os meios-fios sem derrubar os cadeirantes. Uma mão robótica que pode abrir uma porta ou apertar um interruptor de luz e pode ser controlada com a ponta do dedo. Um braço forte que pode retirar uma pessoa de uma cadeira de rodas em uma variedade de circunstâncias, reduzindo o trabalho dos cuidadores e proporcionando mais independência para o usuário.

Não estamos tentando alcançar a acessibilidade, estamos tentando alcançar a inclusão.

Matt Landis

Cada solução pioneira do HERL foi projetada para ir além da acessibilidade da rampa para cadeiras de rodas. Ferramentas que realmente respeitem a independência e a dignidade humana precisam ser versáteis e robustas o suficiente para a vida cotidiana. Essa filosofia define tudo que o HERL faz e como ele o faz. Dos programadores de software que escrevem no código aberto do Android até os engenheiros de hardware e testadores de protótipos, todas as pessoas que trabalham no HERL são desafiadas a criar tecnologias que possam funcionar para qualquer pessoa.

Para Matt, a definição de um veterano é mais do que "alguém que costumava ser um soldado". Um veterano é alguém que ainda tem muito a oferecer.

“Sempre foi uma coisa difícil para mim e levei um tempo para descobrir… você sabe, como responder 'Obrigado pelo seu serviço' ou esse tipo de coisa”, ele diz. Porém, desde que se mudou para Pittsburgh, Matt aprendeu a melhor resposta para quando as pessoas agradecem a ele pelo serviço: um convite.

"Junte-se a mim", diz ele. “Venha servir comigo. Se você quer falar sobre nosso serviço ou nos valorizar, venha e o faça conosco, porque precisamos muito de você. Precisamos que as pessoas se disponham a lutar ao nosso lado pelas mudanças que queremos ver na nossa comunidade e participem ativamente", diz ele.

"E então, claro, muitas pessoas fazem isso."

Assista à história de Matt

Voltar ao início